Adriana e Aline

Quem vier, de onde vier, venha em paz!

sexta-feira, 18 de março de 2011

Letra de forma e letra cursiva

Letra de fôrma x letra cursiva



É importante entender porque a criança aprende primeiramente a letrinha de fôrma e não a cursiva e não simplesmente ensinar só porque a maioria faz assim e dá certo! Realmente, dá certo, mas há uma explicação do motivo pelo qual essa maneira é a melhor! 

A criança está desenvolvendo a motricidade na fase da alfabetização e a letra do tipo bastão é mais fácil para se adequar neste momento. Os rabiscos começam a se endireitar e formar letras.

As letras de fôrma são ideais para esta fase, pois os caracteres são individuais e podem ser escritos um após o outro. Os traços são resumidos a pauzinhos aglomerados uns nos outros. Já as letras cursivas exigem uma agilidade maior, uma vez que, além de outras finalidades, são utilizadas para tornar o registro mais rápido. 

O traçado simples das letras de fôrma dão maior liberdade no ato da escrita, ao contrário das “letras de mão” que precisam de uma organização maior. O ato de ligar uma letra a outra também dificulta o processo, pois anula a ação de tirar o lápis do papel e investir as forças na próxima letra, o que ordena um esforço motor maior. 

Além disso, antes mesmo de serem alfabetizadas, as crianças já possuem contato com as letras de imprensa em jornais, na televisão, em livros, gibis. Elas não conseguem ler, mas fica na memória visual das mesmas.

Logo, a percepção da letra de fôrma é mais rápida e fácil do que da letra cursiva. No entanto, é importante trabalhar com esta última, assim que o infante se habituar à primeira. Não há problemas se as duas formas coexistirem por um tempo, porque independente da letra o que deve sempre estar em foco é a escrita. Pois mais importante do que a letra que a criança escolhe, é a compreensão da escrita como um ato de comunicação.

Por Sabrina Vilarinho

quinta-feira, 17 de março de 2011

ÁGUA CRISTALINA

ÁGUA CRISTALINA

Autora: Mírian Warttusch

Água Cristalina, água cristalina
Nascendo do veio da pedra
Forma as cachoeiras
Água cristalina!


Água cristalina, água cristalina
Nascendo do seio da terra
Vai formando os rios
Água cristalina!


Ao caír na terra
Chuva boa encerra
A forma de amor


Engrossando os mares
Em tantos lugares
É nosso fervor!


Nossa água benta
Fonte que alimenta
E fortalece a fé!


É fonte da vida
Linda, assim, nascida,
Nossa água é:


Presença Divina
Água cristalina...
Presença Divina

Água cristalina...

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

17% dos professores não têm formação ideal para dar aula


No Brasil, 16,8% dos professores da rede pública não têm formação suficiente para exercer a profissão e estão em situação irregular, informa reportagem de Marília Rocha e Natalia Cancian publicada na Folha.
A LDB (Lei de Diretrizes e Bases) exige que os docentes do sexto ano do ensino fundamental ao terceiro ano do ensino médio tenham formação superior, mas 208 mil professores dessas séries concluíram apenas o fundamental ou o médio.
Por Estado, a pior situação é na Bahia, onde 50,8% dos 96,5 mil docentes dessas séries não completaram o ensino superior. Já São Paulo tem a melhor taxa nacional: 2,25% dos 238.667 professores dessa fase do ensino não terminaram a faculdade.
O levantamento, feito com base em dados do Inep (instituto ligado ao MEC) reunidos em 2009 e atualizados em janeiro deste ano, abarca o total de 1,2 milhão de professores que dão aulas nas séries em que há essa exigência.
OUTRO LADO
A secretária de Educação Básica do MEC, Maria do Pilar Almeida e Silva, admite que a situação dos professores sem formação suficiente 'fere a lei' e pode comprometer a aprendizagem.
Segundo ela, estão em curso políticas articuladas com governos locais para sanar a questão. 'Nunca temos resultados rápidos em educação, mas as políticas atuais estão bem estruturadas.'

Sociedade de Controle: monitoramento de alunos via GPS


Parece que a sociedade de controle está progressivamente se instalando em nosso meio social. Dessa vez há uma experiência sendo realizada nos Estados Unidos onde escolas do ensino fundamental da Califórnia estão rastreando as crianças com um GPS.

Segundo a publicação do blog Gizmodo, cerca de 75 alunos da sétima e oitava série da cidade de Anaheim tornaram-se as primeiras crianças da Califórnia a serem seguidas usando GPS, depois de preocupações que seu hábito de matar aula poderia levar a processos contra a escola. O estado da Califórnia está pagando a conta, depois de experiências anteriores em Baltimore e San Antonio terem como resultado a frequência dos alunos que costumavam cabular aula aumentar de 77% para 95% depois que o programa terminou.
Foi necessário muito planejamento para colocar o plano do GPS em prática. Toda manhã, as crianças que costumam matar aula que foram selecionadas para o programa vão receber uma ligação lembrando para irem para a escola, e depois que chegarem lá, eles precisam colocar um código único no dispositivo com localizador cinco vezes por dia – ele transmitirá a informação para a direção, confirmando a posição do menor infrator. Então, quando eles estiverem saindo para e escola; quando chegarem à escola; na hora do lanche; quando estiverem saindo da escola, e novamente às 8 da noite – supostamente quando eles estiverem praticamente indo dormir – eles devem sacar o GPS, digitar a senha para dizer “sim, presente”.

Será que as próximas vítimas serão os professores faltosos? Talvez logo logo o mercado de seguros crie um novo produto: seguro contra falta de/nas aulas! Já imaginou a promoção para as escolas?
"Se sua escola tiver aparelhos GPS instalados nos alunos e professores ganhará um desconto de 15% no seguro!" :-/

Folha em Branco

Certo dia eu estava aplicando uma prova, os alunos, em silêncio tentavam responder as perguntas com uma certa ansiedade.
Faltavam uns 15 minutos para o encerramento e um aluno levantou o braço, se dirigiu a mim e disse:
- Professor, pode me dar uma folha em branco ?
Levei a folha até sua carteira e perguntei porque queria mais uma folha em branco.
Ele respondeu:
- Eu tentei responder as questões, rabisquei tudo, fiz uma confusão danada e queria começar outra vez.
Apesar do pouco tempo que faltava, confiei no rapaz, dei-lhe a folha em branco e fiquei torcendo por ele. Aquela sua atitude causou-me simpatia. Hoje, lembrando aquele episódio simples, comecei a pensar quantas pessoas receberam uma folha em branco, que foi a vida que DEUS lhe deu até agora, e só tem feito rabisco, confusões, tentativas frustradas e uma confusão danada... Acho que, agora, seria um bom momento para se pedir a DEUS uma folha em branco; uma nova oportunidade para ser feliz. Assim como tirar uma boa nota depende exclusivamente da atenção e esforço do aluno, uma vida boa, também depende da atenção que dermos aos ensinamentos do professor nosso DEUS. Não importa qual seja sua idade, condição financeira, religião, etc... Levante o braço, peça uma folha em branco, passe sua vida a limpo. Não se preocupe em tirar 10 (dez), ser o melhor, preocupe-se apenas em ter a simpatia do mestre. Ele está mais interessado em quem pede ajuda, portanto, só depende de você.
Que o Senhor te abençoe, guarde a tua vida e te dê a Paz.
Autor desconhecido

A lição dos Gansos

A Lição dos Gansos

         Este interessante texto é baseado no livro "Socorro - Preciso de Motivação", de autoria de Luiz Marins Filho. Leia e veja o que os gansos têm a nos ensinar sobre trabalho em equipe e espírito colaborativo...
***********
1. "Quando um ganso bate as asas, cria um vácuo para o pássaro seguinte. Voando numa formação em V, o bando inteiro tem o seu desempenho 71% melhor do que se a ave voasse sozinha". 
·        Lição: Pessoas que compartilham uma direção comum e senso de comunidade, podem atingir seus objetivos mais rápida e facilmente.


2. "Sempre que um ganso sai da formação, sente subitamente a resistência por tentar voar sozinho e, rapidamente, volta para a formação, aproveitando a 'aspiração' da ave imediatamente à sua frente". 
·        Lição: se tivermos tanta sensibilidade quanto um ganso, permaneceremos em formação com aqueles que se dirigem para onde pretendemos ir e nos disporemos a aceitar a sua ajuda, assim como prestar a nossa ajuda aos outros.


3. "Quando o ganso líder se cansa, muda para trás na formação e, imediatamente, um outro assume o lugar, voando para a posição de ponta".
·        Lição: É preciso acontecer um revezamento das tarefas pesadas e dividir a liderança. As pessoas, assim como os gansos, são dependentes uma das outras.


4. "Os gansos de trás, na formação, grasnam para incentivar e encorajar os da frente a aumentar a velocidade"
·        Lição: Precisamos nos assegurar de que o nosso "grasno" seja encorajador para que a nossa equipe aumente o nosso desempenho.


5. "Quando um ganso fica doente, ferido, ou é abatido, dois gansos saem da formação e seguem-no para ajudá-lo e protegê-lo. Ficam com ele até que esteja apto a voar de novo ou morra. Só assim, eles voltam ao procedimento normal, com outra formação, ou vão atrás de outro bando". 
·        Lição: Se nós tivermos bom senso tanto quanto os gansos, também estaremos ao lado dos outros nos momentos difíceis.


Prática de Leitura Diária

Leitura Diária

O trabalho com leitura deve ser diário. Há inúmeras possibilidades para isso, pois a leitura pode ser realizada:

• de forma silenciosa, individualmente;

• em voz alta (individualmente ou em grupo) quando fizer sentido dentro da atividade; e

• pela escuta de alguém que lê.
No entanto, alguns cuidados são necessários:

• toda proposta de leitura em voz alta precisa fazer sentido dentro da atividade na qual se insere e o aluno deve sempre poder ler o texto silenciosamente, com antecedência — uma ou várias vezes;

• nos casos em que há diferentes interpretações para um mesmo texto e faz-se necessário negociar o significado (validar interpretações), essa negociação precisa ser fruto da compreensão do grupo e produzir-se pela argumentação dos alunos. Ao professor cabe orientar a discussão, posicionando-se apenas quando necessário;

• ao propor atividades de leitura convém sempre explicitar os objetivos e preparar os alunos. É interessante, por exemplo, dar conhecimento do assunto previamente, fazer com que os alunos levantem hipóteses sobre o tema a partir do título, oferecer informações que situem a leitura, criar um certo suspense quando for o caso, etc.;

• é necessário refletir com os alunos sobre as diferentes modalidades de leitura e os procedimentos que elas requerem do leitor. São coisas muito diferentes ler para se divertir, ler para escrever, ler para estudar, ler para descobrir o que deve ser feito, ler buscando identificar a intenção do escritor, ler para revisar. É completamente diferente ler em busca de significado — a leitura, de um modo geral — e ler em busca de inadequações e erros — a leitura para revisar. Esse é um procedimento especializado que precisa ser ensinado em todas as séries, variando apenas o grau de aprofundamento em função da capacidade dos alunos. 


Leitura Colaborativa

A leitura colaborativa é uma atividade em que o professor lê um texto com a classe e, durante a leitura, questiona os alunos sobre as pistas lingüísticas que possibilitam a atribuição de determinados sentidos. Trata-se, portanto, de uma excelente estratégia didática para o trabalho de formação de leitores. É particularmente importante que os alunos envolvidos na atividade possam explicitar para os seus parceiros os procedimentos que utilizam para atribuir sentido ao texto: como e por quais pistas lingüísticas lhes foi possível realizar tais ou quais inferências, antecipar determinados acontecimentos, validar antecipações feitas, etc. A possibilidade de interrogar o texto, a diferenciação entre realidade e ficção, a identificação de elementos discriminatórios e recursos persuasivos, a interpretação de sentido figurado, a inferência sobre a intencionalidade do autor, são alguns dos aspectos dos conteúdos relacionados à compreensão de textos, para os quais a leitura colaborativa tem muito a contribuir. A compreensão crítica depende em grande medida desses procedimentos.

Fonte: Parâmetros Curriculares Nacionais – Língua Portuguesa – Site MEC

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011